Dossiê | Rey Skywalker em Os Últimos Jedi (Parte I) – Introdução

Dossiê | Rey Skywalker em Os Últimos Jedi (Parte I) – Introdução

Este é o primeiro de uma série de posts que iremos fazer para provar que a teoria Rey Skywalker não está morta, e sim mais viva do que nunca. Mas como toda teoria, leve isso como especulação, e antes de comentar sobre, defendendo ou atacando esta teoria, leia toda a matéria (e se possível, todo o dossiê) para não expressar opiniões equivocadas ou sem fundamento. Obviamente este post contém spoilers de Os Últimos Jedi.


A vasta maioria do fandom sente que Os Últimos Jedi fechou as portas para qualquer teoria de parentesco da Rey. Neste dossiê, traremos provas de que essa pergunta ainda não foi respondida, e ainda, que a teoria Rey Skywalker ainda é tão viável quanto antes, e agora ainda mais carregada de sentimento, se tornando satisfatória e poderosa.

Vale ressaltar que não queremos usar essa teoria como um desculpa para explicar os poderes de Rey. Independente de seu parentesco, não temos dúvida de que a Força escolheu Rey para ser uma das mais poderosas usuárias da galáxia e de todos os tempos. Só nos preocupamos com os temas e narrativas que permeiam toda a saga Skywalker dos episódios I ao VI, e que não faz sentido a repetição dessas narrativas (principalmente os paralelos Anakin/Luke estabelecidos por George Lucas nas prequels) se Rey não está conectada à família Skywalker, e seria um erro de coesão e coerência na saga e na trilogia sequel caso Rey não seja uma Skywalker, mais especificamente filha de Luke Skywalker. Descubra o porquê a partir de agora:

Após a estreia de Os Últimos Jedi, o fandom agora massivamente acredita que o mistério do parentesco da Rey já foi resolvido, e Rey Skywalker cancelado. Isso, é claro, é graças à cena em que Rey – em resposta à insinuação de Kylo – admite que seus pais eram ‘ninguém’, com Kylo reivindicando que viu nas memórias de Rey que seus pais eram “sucateiros” que venderam Rey “por bebida” e que agora estão enterrados como indigentes. A interpretação mais comum é de que Kylo está falando a verdade, com Rey aparentemente confirmando suas palavras, e Luke nunca demonstrando de forma óbvia que os dois já tenham uma conexão anterior. Além disso, há o entendimento popular de que a falha de Luke em relação a Ben explica suas atitudes e comportamento e que é a relação entre mentor e aprendiz entre ele e Rey que guia seus respectivos arcos. Contudo, se você examinar o filme no contexto de sua caracterização, estrutura e simbolismo, informação sobre o universo expandido do Cânon e dos temas da saga Skywalker, isso se torna muito menos definitivo.

O problema principal com a interpretação comum é de que há pouca indicação de que Rey e Luke têm um efeito real um no outro. Não é Rey quem o convence a ajudá-la em nenhuma circunstância, mas sim R2-D2 mostrando aquela velha mensagem de Leia. Luke passa todo o tempo de seu breve relacionamento com Rey explicando por que os Jedi precisam acabar e esse relacionamento termina em conflito. Novamente o filme deixa aparente que não é Rey quem convence Luke a sair do exílio, mas uma conversa rápida com Yoda. Mesmo nisso, a discussão com Yoda poderia sugerir que ele convenceu Luke a treiná-la afinal, mas eles nunca se comunicam com Rey até o final do filme. Ao invés disso, Luke ajuda a resgatar a sobrevivente Resistência e então se torna um com a Força.

Por outro lado, Rey vai até Luke procurando respostas sobre quem ela é e por que ela tem esse poder misterioso. Primeiro, Luke faz o melhor que ele pode pra ignorá-la e então, de má vontade, explica por que ele acha que a Ordem Jedi é uma falha desastrosa. Após não ter nenhum progresso em sua exploração pessoal na ilha e depois de aprender que Luke não foi totalmente honesto sobre sua história com Kylo, Rey se frustra e vai até a única pessoa que parece entendê-la (e esperando que ele acabe com a guerra). Rey então descobre que Kylo só se interessa por seu poder e só usou-a como isca para matar seu mestre Snoke. Como Kylo afirmou, Rey não tem um propósito óbvio nessa história, conseguindo pouco protagonismo em mudar as pessoas a sua volta com suas próprias ações.

Como alternativa, apresentamos uma interpretação que coloca Rey no centro da narrativa e resolve muitas das questões ainda sem resposta e estranhezas do plot:

  • Não só Rey é filha de Luke como ele sabe disso perfeitamente ou pelo menos suspeita isso fortemente quando eles se conhecem.
  • Luke não só sabe, mas está tentando de tudo para que ela não descubra sua descendência, a que, para ele, trouxe ruína a todos os membros da família Skywalker, e, além disso, está tentando dissuadir Rey do caminho Jedi, o qual ele considera a causa primária desta ruína.

Nos próximos posts deste dossiê, vamos explorar o filme e o resto do cânon por este ponto de vista. Abaixo está um índice para você se guiar quando os próximos posts já tiverem saído:

  1. Introdução (que você acabou de ler)
  2. Análise Temática
  3. Análise Contextual
  4. Análise do Filme
  5. Análise Narrativa
  6. Análise Simbólica
  7. Conclusão

Apêndices:

– Comentários dos criadores do filme
– Por que revelar ReySky no Episódio IX ainda seria emocionante


Este dossiê é uma tradução livre da série “The TLJ Case for Rey Skywalker”, feita pelos fãs da Star Wars Shadow Council, que são responsáveis pelo maior banco de dados de eventos do cânon no Reddit, o r/StarWarsReference.