Guy Henry fala sobre sua atuação em Rogue One como Tarkin

Um dos efeitos visuais que mais se destacaram em “Rogue One: Uma História Star Wars” é a recriação em CGI do ator Peter Cushing para o papel de Grand Moff Tarkin. Mas sob toda a maquiagem e efeitos visuais há a performance de um ator chamado Guy Henry. Henry, cujos créditos anteriores incluem Harry Potter e as Relíquias da Morte e a série da BBC Holby City, estava nos sets de filmagens para ter seu desempenho, atráves de captura de movimento, como base para os efeitos que veríamos no personagem de Tarkin.

Henry falou com The Hollywood Reporter recentemente sobre o processo.

Eu senti que não podia me sentir muito responsável no sentido da maneira que parecia. Tive que confiar em John Knoll, Gareth e na equipe. Eles estavam convencidos de que eles poderiam fazê-lo funcionar. Vocalmente, eu não sou um mímico. Eu realmente não sou um impressionista. Eu estava tentando o meu melhor para fazer o meu Tarkin , o “r” e a voz roubada foi o melhor que pude, e Gareth diria: ‘OK, relaxe com isso. Basta ser um pouco mais Guy agora’. Eu tinha que confiar que eles viriam algo no meu trabalho que os convencesse que poderia ser a homenagem a Cushing que todos queriam que fosse. Era muito, muito assustador, com toda a seriedade.”

Ele também comentou sobre as refilmagens dizendo:

“Porque a história estava mudando o tempo todo, eu continuava pensando que já tinha terminado. A responsabilidade caducou. Graças a Deus, posso me deitar. Então eles diziam: “Na verdade, você pode vir na semana que vem e fazer uma meia linha aqui e meia linha lá”. Era realmente assustador, porque eu não queria decepcionar em um filme dessa importância, e igualmente, eu não queria decepcionar a memória de Peter Cushing. “

Henry também falou sobre a possibilidade do efeito usado para transformá-lo em Peter Cushing se tornar mais prevalente no cinema, dizendo:

“Eu realmente não posso ver por que eles iriam. De repente fazer um novo filme e ter um James Dean mais uma vez? Eu não acho que seja provável que aconteça. Isso foi muito especifico para recriar este personagem de uma forma que serviu a história de Rogue One. Além de qualquer outra coisa, o trabalho envolvido nela era enorme. Eles tiveram que passar o dia todo e a maior parte da noite comigo tentando me fazer parecer com ele. Tony Gilroy, que era o diretor da segunda unidade, disse: “Deus, eu passei muito tempo ouvindo sua voz.” Eu disse: “Pobre homem, desculpe por isso.” (…) Penso e espero que não se torne uma coisa comum na industria. Eu consigo ver como isso agora pode ser usado para contar outras histórias, e eu tenho certeza que eles vão considerá-lo. Mas não acho que vai ser muito comum vermos isso.”

Ele também falou sobre como foi trabalhar com Ben Mendelsohn, que interpretou o diretor Orson Krennic, dizendo:

“Ele é maravilhoso, ele se torna completamente no personagem, ele está vivo, ele é brilhante. Em um certo ponto, ele pensou que eu estava olhando para o monitor, que estava na parte de trás da câmera. Eu estava sendo deliberadamente desprezível, eu consegui tanto, que ele realmente chateado gritou: “Não olhe para o monitor, Guy!” Eu não estava olhando para o monitor, e como um verdadeiro profissional, eu nunca iria. [risos] “

Fonte: StarWarsUnderworld.com