Resenha| Star Wars: A Rebelião

Resenha| Star Wars: A Rebelião

Finalmente o universo do novo cânon chega ao mundo dos games neste mês de Setembro. E o ponto de partida é o jogo para dispositivos mobile Star Wars: A Rebelião. Um RPG no estilo dungeon crawler, sistema popularizado por jogos como Diablo e que promete muitas aventuras e a busca por algumas respostas do que aconteceu entre os episódios VI e o vindouro VII. Desenvolvido pela Kabam, o jogo está disponível para Android e iOS.

Enredo:
O jogo se passa logo após a destruição da Estrela da Morte. O império tenta com todos os esforços censurar as notícias de que o Imperador e seu braço direito, Darth Vader, morreram na explosão. Por conta disto, um almirante resolve fazer um cerco ao sistema Anoat, chamando-o de Bloqueio de Ferro. Mas como a esperança ainda está em alguns, grupos de guerreiros da resistência se juntam para criar uma rebelião contra a presença imperial no setor.

Apesar de não desvendar nenhum mistério do que pode acontecer no Episódio VII, que é algo que os fãs estão sedentos para saber, o jogo mostra um panorama geral dos rumos da galáxia, com um império se enfraquecendo aos poucos e tendo que interceptar a – cada vez mais crescente – notícia da vitória rebelde. E se as coisas já não eram boas com o império, na tentativa de manter ordem o império se torna ainda mais violento e sem misericórdia. Tudo pela ordem.

Gráficos cumprem o prometido para um bom RPG. Jogador pode sofrer com telas pequenas.

Gráficos cumprem o prometido para um bom RPG. Jogador pode sofrer com telas pequenas.

Jogabilidade:
Como mencionado no início do texto, o jogo é um RPG dungeon crawler, com jogabilidade similar a Diablo (consoles/PC) ou Dungeon Hunter (mobile). Você tem uma visão de perspectiva superior do seu personagem e vai clicando aonde ele deseja ir ou algum item/personagem para interagir.

Os elementos de RPG estão presentes no jogo. Ao iniciar um novo jogo, você é apresentado a tela de criação de personagens, onde é possível escolher entre Humano, Twi’lek, Zabrak ou Mirialano (todos com opção de gênero masculino e feminino). Após isso o jogador precisa customizar seu personagem e as opções são satisfatórias apesar de poucas: Nome, sobrenome,  estilo do cabelo, traços faciais e tom de pele. Com isso tem-se então o início da aventura.

O jogo, como todo bom RPG, é baseado em missões que ao serem completadas geram recompensas como créditos, itens e metais para aprimorar o seu equipamento. E para cada missão é possível escolher um nível de dificuldade que irá ser baseado no nível do jogador (não o level, mas sim uma regra do jogo levando em conta seu equipamento e poderes). Um ponto fraco é o modo exploração, praticamente inexistente. As “masmorras” tem um percurso muito bem definido e dificilmente você vai precisar vasculhar pra achar algum baú.

Por fim, as habilidades especiais do personagem são interessantes. é possível usar duas principais, uma passiva e uma especial. Você pode comprar as habilidades de vendedores espalhados pelas cidades e juntando pontos de reputação aumentar o poder delas.

Alguns pequenos problemas ainda ocorrem no carregamento de arquivos.

Alguns pequenos problemas ainda ocorrem no carregamento de arquivos.

Gráficos:
Devemos lembrar sempre que Star Wars: A Rebelião é um jogo para dispositivos mobile e por conta disto jamais nos dias atuais irão ser comparados a jogos lançados para consoles e PCs. Contudo, o gráfico geral não decepciona, tendo um polimento muito bom e direção artística interessante. Os cenários, por vezes, parecem repetitivos caso você permaneça em um mesmo planeta por muito tempo (ainda mais tendo “masmorras” com pouca exploração).

As animações são bem feitas, fluidas e existe animações para viagens entre planetas, como se você estivesse entrando em hipervelocidade (esse efeito, por sinal, achei MUITO bom). O layout das telas também é legal, mas se você jogar em dispositivos com telas menores que 5 polegadas irá sentir dificuldade em clicar no cenário e não esbarrar num menu de compra de créditos ou na caixa de correio.

O jogo ainda possui alguns pequenos erros de português.

O jogo ainda possui alguns pequenos erros de português.

Áudio:
Pouco a falar dos sons do jogo, mas elas cumprem o dever de casa. As músicas clássicas estão lá e não temos nenhum tema especial. O jogo ainda possui algumas vozes para quando clicamos nos personagens, mas não existem diálogos falados. Para quem jogar o jogo obtido na Play Store/App Store brasileira terá sons em português (mas alguns ainda em inglês…).

Equipamentos podem ser aprimorados ao longo do jogo.

Equipamentos podem ser aprimorados ao longo do jogo.

Visão geral:
Star Wars: A Rebelião é um super jogo para celulares e tablets. Ele traz o melhor dos dungeon crawlers para o universo de Star Wars e ainda cria a primeira ponte para entendermos o rumo que a galáxia tomou. Com uma mecânica simples e de fácil aprendizado, o jogo pode tornar-se amigável para quem quer apenas uma boa diversão com tons de RPG mas sem muita dificuldade até desafiadora para que deseja conquistar itens top de linha e desvendar as missões primárias e as diversas outras secundárias.

Apesar de pecar um pouco, como alguns deslizes na tradução e a mistura de vozes em português e inglês, o jogo é uma boa pedida para todos os fãs de Star Wars e pode matar um pouco  da ansiedade que todos nós estamos para o Episódio VII. Sim, a Força despertou nos games!